Cheftime - Sua Cozinha Descomplicada

Resumo do pedido
  • Imagem
    Descrição
    Qtd
    Valor unitário
     
    • Carrinho vazio
  • Dica! Tem frete grátis para as compras acima de R$ 150,00.
  • Frete

    R$ 0,00

  • Desconto

    R$ 0,00

  • Desconto no frete

    R$ 0,00

  • Total

    R$ 0,00

Finalizar pedido
Assinar

O que você sabe sobre whisky?

Se você curte um bom whisky ou está curioso sobre a bebida, então continue lendo esse artigo para aprender um pouco mais sobre seus estilos, produção e curiosidades!

Uísque, Whisky ou Whiskey

Todas estão corretas! Uísque é o correto na língua portuguesa, Whiskey é como foi traduzido e como é conhecido na Irlanda e em países que seguem o estilo irlandês, assim como Whisky é como é chamado na Escócia e nos países que seguem o estilo escocês.

Nascido na Irlanda, não sabemos ao certo o ano, mas o registro histórico mais  antigo que temos é da invasão da Irlanda pelo rei Henrique II (Inglaterra) em 1172, na qual encontrou barris de destilado de cereais fabricados na região já envelhecidos.

Principais Diferenças

Grãos

Single malt: É feito com 100% malte de cevada, são produzidos e destilados em apenas um local, costumam ser mais encorpados. Este tipo de whisky deve ser  servido sem gelo e em copos pequenos.

Grain: Pode ser feito com malte de milho, trigo, centeio e cevada, a proporção de grãos depende do estilo do whisky, normalmente é envelhecido em barris virgens e é mais leve que os demais.

Blended: É feito à base de uma mistura de whiskys, maltes de cevada e malte de grãos. A idade declarada de um blended é referente ao whisky mais jovem utilizado na mistura. Pode ser servido puro ou com gelo. Os mais jovens são mais suaves e os envelhecidos são mais intensos e encorpados.

Estilos

Scotch: É produzido apenas na Escócia, feito 100% de cevada, amadurecido por pelo menos 3 anos e seu principal diferencial é a turfa, que lhe confere sabor defumado. 

Irish: É o mais suave e menos restrito, triplamente destilado, pode ser feito com qualquer grão de cereal maltado em proporções variáveis, produzido exclusivamente na Irlanda. 

Bourbon: É um whiskey americano, levemente adocicado, feito de grãos maltados, dos quais no mínimo 51% da composição é milho fabricado na região de Kentucky nos EUA. Também pode ser servido puro ou com gelo.

Tennessee: É semelhante ao bourbon, a diferença é a inclusão da filtragem de carvão no processo pós destilação e pode utilizar milho de qualquer região.

Rye: É feito de uma mistura de grãos maltados, nos Estados Unidos deve conter pelo menos 51% de centeio, mas no Canadá não há restrições, desde que mantenha suas características (frutado e apimentado).

Japanese: De forte influência escocesa, possui uma fermentação dupla e prolongada do malte, ou seja, após a maturação em barris de Bourbon ou de vinho Jerez ele ainda fica mais um tempo em barris de carvalho japonês. 

Tempo de maturação

Como você pode imaginar, o tempo de envelhecimento dos whiskys muda bastante suas características, assim como o material dos barris que são utilizados para seu armazenamento nessa etapa. A maturação ideal é quando a bebida e madeira entram em sintonia, e quem determina isso é o master distiller, profissional especialista em whiskys. Você sabia que o tempo de maturação ideal não depende só do envelhecimento? Tempo demais, em alguns casos, pode até danificar o destilado, ressaltando notas ácidas e amadeiradas demais. 

Outro ponto importante é o tipo de material dos barris, pois cada madeira pode passar uma característica diferente e única. Para o whisky normalmente usam carvalho, que pode ser virgem (nunca usado) ou aproveitado de outras bebidas, para lhe conferir características diferenciadas. Em geral, é a madeira que irá conferir doçura e cor ao destilado, além de ajudar na formação e complexidade de seus aromas.

Claro que cada estilo tem suas peculiaridades e diferenciais, como o scotch, por exemplo, que é maturado em barril de carvalho escocês por pelo menos 3 anos. Os single malts podem chegar a envelhecer 70 anos. No caso dos blended whiskys a idade no rótulo deve pertencer ao whisky mais novo da mistura. 

Quanto maior a idade do whisky, mais caro ele se torna. Além do tempo, cuidado e espaço, que poderia justificar também essa diferença de preço, há um outro fator que conta muito para isso: a evaporação. Também chamada de “parte dos anjos”, a evaporação faz uma enorme diferença no produto final, pois ela concentra cada vez mais o sabor. Para ficar mais fácil de entender, um barril de 30 anos perde metade do seu conteúdo durante o processo, portanto, ele vai render apenas metade das garrafas.

E aí? Qual o seu preferido? 

Se você curtiu o conteúdo e quer saber como harmonizar whisky com seus pratos favoritos, clique aqui e confira as dicas da Chef ;)