A nutrição não é apenas uma profissão, é uma missão extremamente importante para a nossa saúde, seja nas consultas prescrevendo uma alimentação balanceada e adequada para cada um ou analisando o processo de produção de alimentos pela indústria! 

Para comemorar essa data tão especial, a nossa nutricionista responsável pelo controle de qualidade dos produtos, apelidada carinhosamente de Angel, nos deixou 5 dicas de como ter uma alimentação saudável e equilibrada nessa quarentena. Segundo a Angel “Comer está presente em nossos momentos mais especiais, cada um de nós dá um significado único para os alimentos e é assim que tem que ser, chega de olhar ele como nosso inimigo e vamos aproveitá-lo da melhor forma seja para nós mesmos ou para pessoas especiais!”.

Dicas

1- Dê uma chance as comidas caseiras ou artesanais: Para quem está acostumado a comer fora com frequência pode parecer difícil pensar em cozinhar uma refeição do zero, mas você também pode ter acesso a esse tipo de comida com fornecedores que prezam esses valores, como empresas e restaurantes especializados em marmitas, pães e lanches artesanais ao invés de produtos ultraprocessados e Junk Food! Lembrando que nem todo Fast Food (comida rápida) é Junk Food (“porcaria”),

2- Faça o congelamento correto dos alimentos: Faça a higienização prévia dos alimentos e das embalagens, garanta que tudo esteja seco e em temperatura ambiente ou fria antes de iniciar o procedimento. Nunca use isopor ou plástico que vem do mercado, há embalagens próprias para esse processo, que garantem um congelamento seguro, não liberam substâncias químicas ao serem descongeladas e fecham com o mínimo de ar! Não encha demais o pote ou saquinho e espalhe o conteúdo o máximo possível, isso aumenta a superfície de contato e garante um congelamento homogêneo.

3- Já ouviu dizer sobre comer intuitivo? É nossa relação saudável com a alimentação, corpo, mente e emoções, sendo cada um de nós especialista e responsável pelo nosso corpo. A abordagem tem três principais pilares: permissão para comer, comer para atender as necessidades fisiológicas e não emocionais (às vezes queremos comer e nem sabemos o porque é aí o principal momento de se reconectar com seu corpo e mente) e lembrar-se da sintonia entre os sinais de sua fome e a saciedade.

4- Equilíbrio: Saiba o que cada alimento traz de benefício para o seu corpo e o que cada refeição deve oferecer, descubra o que você gosta de comer sem preconceitos e sem traumas, se você precisa de mais ferro na sua alimentação e você não gosta de couve, tente espinafre ou grão de bico, se não gosta delas refogadas tente o suco ou incorpore em receitas, adapte sua alimentação com sua rotina do dia a dia, mas sem “neuras” e sem exclusões completas do que você gosta de comer! Comer tem que ser prazeroso também!

5- Crie um planejamento: A palavra rotina às vezes assusta as pessoas, porque passa a impressão de ser algo extremamente controlado e rígido, mas não precisa ser assim! O correto aqui é criar um “padrão de alimentação” com seus alimentos preferidos e suas necessidades diárias, isso vai ajudar a você ter uma alimentação mais saudável e prática! É importante salientar, que cada um tem o SEU próprio metabolismo, não devemos forçar o corpo a se adaptar ao jejum intermitente se você se sente com fome o tempo inteiro, ou cronometrar a hora exata de comer se não sente fome no momento, mas também não existe nenhuma formas de se alimentar errada ou proibida, o que é errado é forçar seu corpo a um padrão que não seja adequada a sua fome, saciedade e rotina no momento!

Gostaram das dicas? Deixem suas dúvidas, opiniões e sugestões nos comentários!